LÍngua portuguesa e literatura brasileira



Descargar 176.63 Kb.
Fecha de conversión04.07.2017
Tamaño176.63 Kb.
LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA

1


5


TEXTO 1
“- Fala, Kleid. Bem que tu poderias. Tu que a tudo assististe. Tu que tudo guardaste. Vê só. Estou sozinho. Tão velho por fora e por dentro, que mal posso conter a avalanche de todas as lembranças. Um mundo de visões que passaram por nós. Tu te lembras? Quando voltei do enterro da Grossmutter te perguntei como era a minha mãe. Eu não me lembro dela. Morreu moça, eu e as minhas irmãs muito pequenas. Como seria a minha mãe alemã, tocadora de violino, segundo contava a vó Sacramento? Ela não existiu para mim. Meu pai era um sujeito danado de alegre. Bebedor de bier e sempre fazendo travessuras. Era uma criança grande que foi morrer na Segunda Guerra, só por amor à Alemanha. Pensava que Hitler era o Deus.”
LAUS, Lausimar. O guarda-roupa alemão. 4. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2006, p. 129-130.



Questão 01


Considerando o TEXTO 1 e o romance O guarda-roupa alemão, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. A narrativa constitui-se das memórias de Homig, o último Ziegel, que dialoga com Kleiderschrank, o guarda-roupa.

02. O guarda-roupa é personificado: ele assistiu à história, é testemunha dos fatos que aconteceram na casa dos alemães e é depositário de um grande segredo da matriarca da família.

04. As palavras em idioma alemão: Kleiderschrank, Grossmutter e bier são vestígios de que o romance se passa em uma pequena cidade da Alemanha.

08. Dentro do romance, as referências a Hitler, à Segunda Guerra e à Alemanha apontam o quanto os problemas da Alemanha se refletiram duramente nos colonos da Região do Vale do Itajaí, em Santa Catarina.

16. A vó Sacramento, típica açoriana, personifica a mistura de raças que aconteceu com a vinda dos imigrantes para Santa Catarina. Seu convívio com a família Ziegel é exemplo da harmonia entre açorianos e alemães na região.

32. A família Ziegel não conseguiu manter as tradições vindas da Alemanha, já que assimilou com tranqüilidade os costumes da região que a acolheu.



Questão 02


Ainda em relação ao TEXTO 1, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. Em “Vê só” (linha 2), o verbo se encontra no modo imperativo; porém, houve um deslize quanto à norma padrão da língua; a forma adequada seria “Veja só”, já que o narrador utiliza a 2a pessoa do singular para referir-se a Kleid.

02. O trecho mostra a intenção do narrador de dialogar com o guarda-roupa, o que é perceptí-vel através do vocativo utilizado em “Fala, Kleid”.

04. O narrador sabe que a mãe tinha aptidão para tocar um instrumento musical graças aos relatos de vó Sacramento.

08. Os verbos poderias, assististe, seria e foi estão todos no pretérito perfeito, o que significa dizer que representam ações acabadas, como ocorre na sentença: Naquela época, as brincadeiras faziam a platéia muito feliz.

16. O narrador achava que, se preciso, deveria dar a vida pela Alemanha e que Hitler deveria ser tão respeitado quanto Deus.

32. Segundo o narrador, a “avalanche” (linha 2) de suas lembranças era fruto da avançada idade de Kleid, que estava velho “por fora e por dentro”.





1


5



TEXTO 2

“ ‘Há mais de meio século’, continuou. ‘Eu era moleque, e eles uns curumins que já carregavam tudo, iam dos barcos para o alto da praça, o dia todo assim. Eu vendia tudo, de porta em porta. Entrei em centenas de casas de Manaus, e quando não vendia nada, me ofereciam guaraná, banana frita, tapioquinha com café. Em vinte e poucos, por aí, conheci o restaurante do Galib e vi a Zana... Depois, a morte do Galib, o nascimento dos gêmeos...’ ”


HATOUM, Milton. Dois irmãos. São Paulo: Companhia das Letras, 2000, p. 133.



Questão 03


Com relação ao TEXTO 2 e ao romance Dois irmãos, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. No Texto 2, o narrador principal da história (Nael, filho de Omar) cede espaço para um narrador secundário (Halim, pai de Omar) resumir sua saga de imigrante libanês.

02. A narrativa apresenta um drama familiar e a conflituosa relação entre os dois irmãos gêmeos, Yacub e Omar.

04. Nael, personagem/narrador perturbado pela dúvida quanto à sua filiação, reconstrói a memória da família libanesa, que é, também, a sua própria memória/identidade.

08. O excerto apresenta os principais elementos da narrativa de Hatoum: romance ambientado em Manaus; o narrador, Galib, é mascate, conhece Zana, filha do dono de um restaurante, e é pai dos gêmeos Yacub e Omar (foco da discórdia familiar).

16. São recorrentes em obras de ficção ou que representam diferentes culturas, as disputas entre irmãos gêmeos, a exemplo de Caim e Abel, Esaú e Jacó, mas que, diferentemente de Yacub e Omar, encontram uma saída harmoniosa para o conflito.

32. Embora os dois irmãos sejam gêmeos, Omar é chamado de “o caçula”, o que denuncia o tratamento desigual dado, pela mãe, aos dois personagens principais e criticado pela irmã dos gêmeos, Rânia.

64. Nael, o narrador, é filho da índia Domingas e de Omar, filho de imigrante libanês. Nael simboliza a mistura das raças resultante dos processos de imigração, que se deu de forma tranqüila e equilibrada.

Questão 04


Ainda considerando o TEXTO 2, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. Em “Eu era moleque, e eles uns curumins que já carregavam tudo” (linhas 1-2) houve, na segunda oração, elipse de um verbo, cuja compreensão é possível a partir da leitura da oração anterior.

02. “Em vinte e poucos, por aí, [...]” (linhas 4-5) corresponde semanticamente a Quando eu tinha vinte e poucos anos...

04. Na frase “Entrei em centenas de casas de Manaus” (linha 3), pode-se substituir a forma verbal por “entrava”, sem prejuízo do sentido.

08. Na última sentença do excerto, o paralelismo sintático obtido através da omissão dos verbos em nada prejudicou a compreensão do texto.

16. No trecho apresentado, a expressão “por aí” (linha 5) faz referência ao local onde o casal Galib e Zana se conheceu.




1


5



TEXTO 3
“Quando a noite está escura, e cai o vento noroeste, vê-se dois vultos brancos como a neve atravessarem o mar, vindos da Ilha do Mel à Ponta Grossa, e irem costeando até a Ponta da Pedreira. Dali se transformam em duas pombas brancas, e voam pelo mesmo caminho que vieram; porém então são perseguidas por três corvos que procuram agarrá-las com seus bicos hediondos, grasnando horrivelmente: chegando bem no meio do mar, os corvos se transformam em Meninos queimados, e lançam gritos tão agudos que fazem acordar as crianças em seus berços, iluminando todo o mar com o clarão de suas caudas inflamadas.”
CASTRO, Ana Luísa de Azevedo. D. Narcisa de Villar. 4. ed. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2000, p. 126.



Questão 05


Com base no TEXTO 3 e no romance D. Narcisa de Villar, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. O livro, nos moldes da estética romântica de José de Alencar, conta a história de D. Narcisa e de Leonardo, que vivem um amor impossível e morrem por esse amor.

02. A narradora, muito presente em todo o romance, relata uma lenda do imaginário popular trazida de Portugal e mantida por sua família.

04. A oposição entre “pombas brancas” e “corvos” representa a luta entre o bem e o mal, proposta na narrativa.

08. Os “três corvos” são os três irmãos de D. Narcisa que, metamorfoseados, ainda carregam as características dos colonizadores, retratados no romance como ricos, mas humildes e caridosos.

16. O recurso da comparação do ser humano com elementos da natureza, a exemplo de “vul-tos brancos como a neve” (linhas 1-2), destoa do tom geral da estética romântica, à qual se pode filiar a obra.

32. Pode-se concluir, de acordo com o excerto, que, após a morte, os bons serão recompensa-dos e os maus, perdoados.

64. D. Narcisa é o protótipo da heroína romântica (pura, boa, defensora do bem), traço que carrega consigo após a morte, transformando-se em símbolo da paz.



Questão 06


Considerando ainda o TEXTO 3, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. De acordo com a norma culta, na frase “vê-se dois vultos brancos como a neve atraves-sarem o mar [...]” (linhas 1-2) há problema de concordância verbal, uma vez que o verbo “vê” deveria estar no plural, por ter como sujeito “dois vultos brancos como a neve”.

02. Em “... três corvos que procuram agarrá-las...” (linhas 4-5), o pronome oblíquo faz referên-cia à palavra “crianças” (linha 7).

04. Em “Dali se transformam em duas pombas brancas” (linha 3), houve elipse do sujeito que pode ser resgatado no período anterior.

08. De acordo com as informações do Texto 3, é possível avistar os “vultos brancos como a neve atravessarem o mar” (linhas 1-2) sob duas condições: que a noite esteja escura e sem vento noroeste.

16. Em “... lançam gritos tão agudos que fazem acordar as crianças em seus berços” (linhas
6-7) temos, na segunda oração, uma relação de conseqüência.

32. Os vocábulos está, vê-(se), porém, três, agarrá-(las), sublinhados no Texto 3, recebem acento gráfico pela mesma regra, ou seja, por serem todos oxítonos, condição suficiente para que os vocábulos sejam acentuados.





1


5

10



TEXTO 4
“Capitu deu-me as costas, voltando-se para o espelhinho. Peguei-lhe dos cabelos, colhi-os todos e entrei a alisá-los com o pente, desde a testa até as últimas pontas, que lhe desciam à cintura. Em pé não dava jeito: não esquecestes que ela era um nadinha mais alta que eu, mas ainda que fosse da mesma altura. Pedi-lhe que se sentasse”.

[...]


“Agora, por que é que nenhuma dessas caprichosas me fez esquecer a primeira amada do meu coração?

[...]


E bem, qualquer que seja a solução, uma coisa fica, e é a suma das sumas, ou o resto dos restos, a saber, que a minha primeira amiga e o meu maior amigo, tão extremosos ambos e tão queridos também, quis o destino que acabassem juntando-se e enganando-me... A terra lhes seja leve!”
ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. São Paulo: FTD, 1991, p. 65, 208 e 209.



Questão 07


A respeito do TEXTO 4 e da obra Dom Casmurro, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. Em “Peguei-lhe dos cabelos...” (linhas 1-2), “...que lhe desciam” (linha 3) e “Pedi-lhe que se sentasse” (linhas 4-5), a palavra destacada, embora sendo um pronome pessoal oblíquo, tem valor possessivo.

02. Os pronomes destacados em “Capitu deu-me as costas” (linha 1), “voltando-se para o es-pelhinho” (linha 1) e “... que se sentasse” (linhas 4-5) são todos reflexivos, pois o mesmo indivíduo ao mesmo tempo que exerce a ação expressa pelo verbo, recebe os efeitos dessa ação.

04. Em “Em pé não dava jeito” (linha 3), a elipse do sujeito nos remete a Capitu, que não conseguia pentear seus cabelos sem o auxílio do narrador.

08. Dom Casmurro é um romance com fortes tendências realistas, em que Machado exercita com maestria os longos textos descritivos e explicativos, prolongando a história e protelando o desfecho.

16. A narrativa gira em torno do triângulo Bentinho, Capitu e Escobar. Bentinho é o narrador que está vivo e relatando o triste desfecho da história de sua vida, cujos pilares foram Capitu e Escobar, que já estão mortos.

32. Bentinho tem certeza de que foi traído, e o romance oferece pistas para sua comprovação, como, por exemplo, a semelhança de Ezequiel com Escobar e uma carta reveladora deixada por Capitu.

64. Com a frase “A terra lhes seja leve!” (linha 13), Bentinho revela acreditar que os dois possíveis amantes não merecem punição.




Questão 08


Considerando as palavras sublinhadas nas frases abaixo, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).


  1. Imaginemos que (1) o mundo inteiro esteja em paz.

  2. Durante a tarde, os manifestantes que (2) reivindicavam melhorias salariais foram às ruas protestar contra o governo, que (3) parecia não lhes dar ouvidos.

  3. As desilusões que (4) ele sofreu justificam as decisões que (5) toma hoje em dia.

01. Em I, a palavra destacada é conjunção coordenativa, pois estabelece relação entre duas orações independentes entre si.

02. O antecedente de que (2) é “manifestantes” e a palavra que (2) representa o agente do verbo “reivindicar”.

04. Em III, que (4) é pronome relativo e pode ser substituído, sem alteração de sentido, por “as quais”.

08. O verbo “toma”, em III, tem como sujeito que (5) cujo antecedente é “decisões”.

16. Em II, que (3) inicia uma oração que tem como função restringir o significado de “governo”, especificando de que governo se trata.





Questão 09


Com relação às obras Relatos escolhidos, de Silveira de Souza, A legião estrangeira, de Clarice Lispector e Comédias para se ler na escola, de Luis Fernando Verissimo, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. Os três livros de contos apresentam narrativas curtas, cenas do cotidiano, com certa dose de bom humor e crítica social.

02. As narrativas de Silveira de Souza refletem o mundo que cerca o homem com seus desencontros; os transtornos que podem ser interpretados pelo insólito; o absurdo ou o mistério que cercam os personagens, a exemplo do despropósito representado pelo crescimento desmedido do braço esquerdo de Noêmia.

04. As narrativas de Clarice Lispector apresentam enredo linear, previsível, a exemplo de cenas que mostram a fragilidade dos animais diante do ser humano, o que pode ser observado na morte do pintinho no conto “A legião estrangeira”.

08. O humor é matéria-prima de Verissimo. Porém, suas crônicas não levam somente ao riso, mas também à reflexão sobre os temas do nosso cotidiano, como equívocos, violência e mudança de sentido das coisas da vida.

16. No conto “Os pequenos desencontros”, de Silveira de Souza, um casal percebe-se sem saída no meio de uma cidade tumultuada, de gentilezas formais e de sorrisos impessoais, o que demonstra a angústia do homem diante de uma realidade desumana.

32. Clarice Lispector, em seus escritos realistas, tenta explicar questões polêmicas, como ocorre no texto intitulado “O ovo e a galinha”, em que responde à tradicional pergunta: “Quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha?”.





1


5


TEXTO 5
POEMA DESENTRANHADO

DA HISTÓRIA DOS PARTICÍPIOS

[…]
A partir do século XVI

Os verbos ter e haver esvaziaram-se de sentido

Para se tornarem exclusivamente auxiliares

E os particípios passados

Adquirindo em conseqüência um sentido ativo

Imobilizaram-se para sempre em sua forma indeclinável.


MORAES, Vinicius de. Nova antologia poética. São Paulo: Companhia das Letras, 2005, p. 220.



Questão 10


Com base no TEXTO 5, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. O poema faz menção ao uso de ter e haver como verbos auxiliares na Língua Portuguesa, conforme os que aparecem em destaque nas sentenças: Eles tinham tido muitos amigos na infância e O inspetor não havia falado sobre o caso.

02. No poema, o vocábulo “adquirindo” (verso 5) é um exemplo de verbo no particípio, uma vez que não se flexiona em relação ao sujeito da frase, “os particípios passados” (verso 4).

04. Os versos 5 e 6 do poema citam duas características do particípio usado como auxiliar: o fato de terem sentido ativo e de não sofrerem flexão.

08. Quando, no segundo verso, o poeta diz que “os verbos ter e haver esvaziaram-se de sentido”, ele faz referência a sentenças do tipo Tem alguém aí? e Houve um grande show ontem à noite.

16. Pode-se inferir a partir do texto que, do século XVI em diante, os verbos ter e haver são utilizados exclusivamente para formar a voz passiva, já que o sentido ativo é mantido pelo verbo principal.

32. Segundo o poema, os particípios passaram a ser responsáveis pelo sentido, uma vez que os verbos ter e haver tornaram-se “exclusivamente auxiliares” (verso 3).





ESPANHOL



1


5

10

15



20

25

30



35

De qué va la ética


Entre todos los saberes posibles existe al menos uno imprescindible: el de que ciertas cosas nos convienen y otras no. No nos convienen ciertos alimentos ni nos convienen ciertos comportamientos ni ciertas actitudes. Me refiero, claro está, a que no nos convienen si queremos seguir viviendo. Si lo que uno quiere es reventar cuanto antes, beber veneno puede ser muy adecuado o también procurar rodearse del mayor número de enemigos posibles. Pero de momento vamos a suponer que lo que preferimos es vivir: los respetables gustos del suicida los dejaremos por ahora de lado. De modo que ciertas cosas nos convienen y a lo que nos conviene solemos llarmarlo “bueno” porque nos sienta bien; otras, en cambio, nos sientan muy mal y a todo eso lo llamamos “malo”. Saber lo que nos conviene, es decir: distinguir entre lo bueno y lo malo, es un conocimiento que todos intentamos adquirir – todos sin excepción – por lo provechoso que nos resulta.

Como he señalado antes, hay cosas buenas y malas para la salud: es necesario saber lo que debemos comer, o que el fuego a veces calienta y otras quema, así como el agua puede quitar la sed pero también ahogarnos. Sin embargo, a veces las cosas no son tan sencillas: ciertas drogas, por ejemplo, aumentan nuestro brío o producen sensaciones agradables, pero su abuso continuado puede ser nocivo. En unos aspectos son buenas, pero en otros malas: nos convienen y a la vez no nos convienen. En el terreno de las relaciones humanas, estas ambigüedades se dan con mayor frecuencia. La mentira es algo en general malo, porque destruye la confianza en la palabra – y todos necesitamos hablar para vivir en sociedad – y enemista a las personas; pero a veces parece que puede ser útil o beneficioso mentir para obtener alguna ventaja. O incluso para hacerle un favor a alguien. Por ejemplo: ¿es mejor decirle al enfermo de cáncer incurable la verdad sobre su estado o se le debe engañar para que pase sin angustia sus últimas horas? La mentira no nos conviene, es mala, pero a veces parece resultar buena. Pelearse con los demás ya hemos dicho que es por lo común inconveniente, pero ¿debemos consentir que violen delante de nosotros a una chica sin intervenir, por aquello de no meternos en líos? Por otra parte, al que siempre dice la verdad – pase lo que pasesuele cogerle manía todo el mundo; y quien interviene como si fuera Indiana Jones para salvar a la chica agredida es más probable que se vea con la cabeza rota que quien se va silbando a su casa. Lo malo parece a veces resultar más o menos bueno y lo bueno tiene en ocasiones apariencias de malo.

[…]

En resumen: a diferencia de otros seres, vivos o inanimados, los hombres podemos inventar y elegir en parte nuestra forma de vida. Podemos optar por lo que nos parece bueno, es decir, conveniente para nosotros, frente a lo que nos parece malo e inconveniente. Y como podemos inventar y elegir, podemos equivocarnos, que es algo que a los castores, las abejas y las termitas no suele pasarles. De modo que parece prudente fijarnos bien en lo que hacemos y procurar adquirir un cierto saber vivir que nos permita acertar. A ese saber vivir, o arte de vivir si prefieres, es a lo que llaman ética.



SAVATER, Fernando. Ética para Amador. Barcelona: Ariel, 2001, pp. 20-22; 31.(Adaptado)



Questão 11


Señala la(s) proposición(es) CORRECTA(S).

El texto De qué va la ética trata de:


01. exponer el objeto de estudio de la ética.

02. relacionar la ética con la sociología.

04. explicarle al lector la naturaleza de la ética.

08. imponer valores morales al hombre moderno.

16. rechazar la hipocresía de la sociedad moderna.



Questão 12


Señala la(s) proposición(es) CORRECTA(S).

El título del texto “De qué va la ética” remite a:


01. el valor de la ética.

02. el objeto de la ética.

04. el fracaso de la ética.

08. el pasado de la ética.

16. la naturaleza de la ética.



Questão 13


Señala la(s) proposición(es) CORRECTA(S).

En el primer párrafo, el autor habla de “saber lo que nos conviene” (línea 9-10), lo que se refiere a:


01. saber reconocer lo que es bueno y lo que es malo para cada uno.

02. una ciencia que trata de las conveniencias sociales de la vida humana.

04. un conocimiento de lo que nos puede hacer bien o hacer daño.

08. un conocimiento que sirve únicamente para sacar provecho propio.

16. una ciencia divina del bien y del mal.



Questão 14


Señala la(s) proposición(es) CORRECTA(S).

En el segundo párrafo, el autor habla de:


01. la necesidad de relativizar las cosas y entenderlas en su contexto.

02. la mentira como lo único que es siempre malo.

04. la justificación de matar para salvar la honra de una mujer.

08. la dificultad para evaluar cuándo algo es bueno y cuándo es malo.

16. lo bueno que son las drogas.


Questão 15


Señala la(s) proposición(es) CORRECTA(S).

El sentido de “por aquello de no meternos en líos” (línea 26) corresponde a:

01. por causa daquela história de não criar encrencas.

02. por causa daquela história de não falar com desconhecidos.

04. por causa daquele que não sabe o que faz.

08. por causa daquela história de não perder os brios.

16. por causa daquela história de não se meter em confusão.




Questão 16


Señala la(s) proposición(es) CORRECTA(S).

La expresión “pase lo que pase” (línea 27) en el contexto presentado equivale a:


01. duela a quien duela.

02. para hacer daño.

04. ocurra lo que ocurra.

08. entienda quien quiera.

16. la suya.




Questão 17


Señala la(s) proposición(es) CORRECTA(S).

En la frase “… suele cogerle manía todo el mundo” (líneas 27-28), cogerle manía a alguien significa:


01. admirar mucho a alguien.

02. escuchar atentamente a alguien.

04. tenerle aversión a alguien.

08. volver loco a alguien.

16. tenerle ojeriza a alguien.

Questão 18


Señala la(s) proposición(es) CORRECTA(S).

En la línea 14, la locución conjuntiva “sin embargo” puede ser sustituida por:


01. no obstante.

02. sin obstáculo.

04. todavía.

08. por lo común.

16. por si acaso.



Questão 19


Señala la(s) proposición(es) CORRECTA(S).

Acerca del texto y su contenido se puede observar que:

01. el verbo en la segunda persona del singular “si prefieres” (línea 39) señala que el texto se dirige, en primer lugar, a la tercera edad.

02. los párrafos que componen el texto se pueden resumir como sigue: el primero, “saber lo que nos conviene”; el segundo, “la relatividad de los valores”; el tercero, “saber vivir”.

04. en el reino animal, el hombre es el único animal ético.

08. lo normal de la naturaleza humana es preferir lo malo a lo bueno.

16. lo “bueno” y lo “malo” son conceptos relativos.




Questão 20


Señala la(s) proposición(es) CORRECTA(S).

Al definir la ética, al final del texto, como el “arte de vivir” (línea 39), el autor dice que:


01. la ética es la capacidad que tiene el hombre de hacer todo lo que se le antoja.

02. vivir es un arte en el que todo está permitido.

04. la ética es saber decidir lo que es mejor para vivir.

08. vivir bien es un arte que se puede aprender.

16. la ética puede ayudar al hombre a vivir mejor.



REDAÇÃO

I N S T R U Ç Õ E S


1. Confira o número do(a) candidato(a), o local, o setor, o grupo e a ordem indicados na folha oficial de redação, a qual NÃO deverá ser assinada.


2. Leia e observe atentamente as Propostas 1, 2 e 3.
3. Escolha a Proposta que apresenta o tema sobre o qual você se sente mais bem preparado(a) para discorrer.
4. Evite copiar trechos dos textos apresentados.
5. Não escreva em versos, use linguagem clara e utilize a norma culta da língua portuguesa.
6. Não se esqueça de dar um título à sua redação.
7. Use caneta com tinta preta ou azul para transcrever seu texto do rascunho para a folha oficial de redação.
8. Redija um texto que tenha no mínimo 20 (vinte) e no máximo 30 (trinta) linhas.
9. Escreva com letra legível e ocupe todo o espaço das linhas, respeitando os parágrafos.
10. Não serão corrigidas redações escritas a lápis, nem redações na folha de rascunho.

PROPOSTA 1

Em três dentre os romances listados para este vestibular, há personagens de origem indígena marcando presença e, sobretudo, indicando que a mistura de raças viria a ser a base da nação brasileira. A esse respeito, vale lembrar que tais romances também envolvem personagens de outras origens: alemães, árabes e portugueses.


Escreva uma redação que enfoque o tema da miscigenação cultural no Brasil, fazendo referência a pelo menos um dos romances indicados.


PROPOSTA 2

Nos anos 80, o filme Blade Runner – O Caçador de Andróides, de Ridley Scott, mostrava um fantástico laboratório de engenharia genética, onde um cientista criava seres robóticos com a finalidade de servirem em colônias interplanetárias. Entre o final do século XX e início do XXI, uma série de filmes intitulados Matrix, de Larry e Andy Wachowski, trazia personagens cujo cérebro era monitorado com a instalação de poderosos chips. Hoje, com os avanços científicos no campo da neurociência, a ficção cede lugar à realidade com as chamadas neurotecnologias. Trata-se de técnicas de mapeamento cerebral que possibilitarão a prevenção e a cura de doenças neurológicas, de desenvolvimento de drogas ou implantação de chips que alteram o comportamento humano.


Tomando as indicações feitas acima, escreva uma redação considerando os possíveis impactos desses avanços científicos.


PROPOSTA 3

TEXTO 1:
“Mais. Eu quero mais que esse mundinho glamouroso das telenovelas enfeitadas de cartões postais, como se o país fosse nada mais que um saboroso “pão-de-açúcar”; quero mais que bandeiras hasteadas apenas em tempos de copa do mundo; quero mais que baladas noturnas coreografadas pela repetitiva estridência de músicas eletrônicas e minadas pelo poderoso mercado do narcotráfico.”


(Texto produzido especialmente para este concurso)
TEXTO 2:
“[...] Mas durmo o sono dos justos por saber que minha vida fútil não atrapalha a marcha do grande tempo. Pelo contrário: parece que é exigido de mim que eu seja extremamente fútil, é exigido de mim inclusive que eu durma como um justo. Eles me querem ocupada e distraída, e não lhes importa como. Pois, com minha atenção errada e minha tolice grave, eu poderia atrapalhar o que se está fazendo através de mim. [...]”
(Clarice Lispector. “O Ovo e a Galinha”, in A legião estrangeira, pág. 53)
Motivado(a) pelos textos acima, escreva sua redação considerando o poder de penetração social da mídia.

FOLHA DE RASCUNHO – REDAÇÃO

TRANSCREVA A REDAÇÃO PARA A FOLHA OFICIAL.



ESTE RASCUNHO NÃO SERÁ CORRIGIDO.


TÍTULO

01




02




03




04




05




06




07




08




09





10




11




12




13




14




15




16




17




18




19




20




21




22




23




24




25




26




27




28




29




30





QUESTÃO DISCURSIVA



I N S T R U Ç Õ E S
1. Confira o número do(a) candidato(a), o local, o setor, o grupo e a ordem indicados na folha oficial da questão discursiva, a qual não deverá ser assinada.
2. Leia atentamente a questão.
3. Escreva com letra legível, use linguagem clara e utilize a norma culta da língua portuguesa.
4. Use caneta com tinta preta ou azul para transcrever seu texto do rascunho para a folha oficial da questão discursiva.
5. Redija sua resposta utilizando entre 5 (cinco) e 15 (quinze) linhas.
6. Não serão corrigidas respostas escritas a lápis, nem respostas na folha de rascunho.

“- Esquece.

- Não. Como “esquece”? Você prefere falar errado? E o certo é “esquece” ou “esqueça”? Ilumine-me. Me diga. Ensines-lo-me, vamos.

- Depende.

- Depende. Perfeito. Não o sabes. Ensinar-me-lo-ias se o soubesses, mas não sabes-o.”


(VERISSIMO, Luis Fernando. Papos. Comédias para se ler na escola. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001, p. 66.)


No excerto apresentado, as personagens discutem o uso dos pronomes oblíquos átonos. Com base nisso, redija um comentário abordando os dois tópicos a seguir:


- a língua ensinada na escola versus a língua usada no dia-a-dia e em textos literários;

- a dificuldade em aprender as regras da gramática versus a facilidade de comunicação.



FOLHA DE RASCUNHO – QUESTÃO DISCURSIVA

TRANSCREVA A RESPOSTA DA QUESTÃO DISCURSIVA


PARA A FOLHA OFICIAL.

ESTE RASCUNHO NÃO SERÁ CORRIGIDO.




01




02




03





04




05




06




07




08




09




10




11




12




13




14




15



















COPERVE CONCURSO VESTIBULAR UFSC/2007 1a PROVA: VERDE


La base de datos está protegida por derechos de autor ©bazica.org 2016
enviar mensaje

    Página principal