MigraçÕes na



Descargar 334.2 Kb.
Página6/15
Fecha de conversión06.05.2017
Tamaño334.2 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   15

Imprenditoria straniera forza per economia capitale


Cna World: “gli stranieri sono una componente fondamentale per il tessuto sociale ed economico”

ROMA - I dati diffusi dalla Fondazione Ethnoland dimostrano che c’è un’imprenditoria straniera a Roma che contribuisce ogni giorno allo sviluppo del nostro territorio e alla crescita dell’occupa- zione.”Deve farci riflettere - dice Lorenzo Tagliavanti, Direttore della Cna di Roma che da tempo ha costituito Cna World, un’apposita articolazione del proprio sistema associativo che offre rappresentanza e servizi al mondo dell’im- prenditoria straniera - che proprio nella Capitale è concentrato il numero più alto di imprese straniere, che generano una ricaduta occupazionale per oltre 50 mila persone. Purtroppo in queste ultime setti- mane si è parlato di immigrazione solo alla luce dei fatti di cronaca, ma c’e’ invece un altro volto di immigrazione, quella che rappresenta un valore ag- giunto per la nostra economia e la crescita del Pil”.

Secondo quanto riportato dal dossier, infatti, sono oltre 15 mila le imprese di stranieri presenti a Roma, e in un anno sono aumentate del 21,6%, un numero al di sopra della media nazionale. “Gli stranieri sono una componente fondamentale per il tessuto sociale ed economico - continua Tagliavanti - costituita sempre di piu’ da coloro che realizzano le proprie aspirazioni avviando un’attività in proprio e che spesso più di altri devono affrontare le varie problematiche legate all’accesso al credito e alla burocrazia”.

Un processo di emancipazione e sviluppo in rapida ascesa che consente riscatti e dinamismi sociali di indubbia importanza e che la Cna, attraverso la Cna World che ad oggi associa 1.000 imprese straniere, si augura possano contribuire alla creazione di una moderna società multietnica.

Fonte: www.stranieriinitalia.it - 25.02.2009


PORTUGUÊS



Crise financeira deverá estimular migração, diz relatório da ONU


Estudo das Nações Unidas aponta que crise financeira deverá fomentar movimento migratório mundial. Alemanha foi o país que mais recebeu imigrantes na Europa, informa Organização Internacional de Migrações (OIM).

Segundo o relatório sobre as migrações mundiais da ONU, apresentado nesta terça-feira (02/12) em Genebra, existem atualmente mais de 200 milhões de migrantes em todo o mundo. Com mais de 10 milhões de migrantes em 2005, a Alemanha é o país da Europa em que mais vivem imigrantes no continente.

O informe da Organização Internacional de Migrações (OIM) destacou "que o movimento de pessoas dentro e através de fronteiras se efetua com vistas a satisfazer os desafios sócio- econômicos que a globalização traz consigo e que fazem com que a busca de trabalho propicie a maioria dos movimentos observados neste século".

O relatório apontou ainda que a atual crise financeira mundial deverá estimular novas ondas migratórias e que as tendências demográficas assinalam que, sem a imigração, a população em idade ativa dos países desenvolvidos diminuirá em 23% até 2050.

Mobilidade humana em escala sem precedentes

Mesmo em tempos de crise, migrantes são necessários, disse Appave. A OIM informou que o número de migrantes internacionais é hoje 2,5 vezes maior que em 1965 e que a maioria dos países são, simultaneamente, países de origem, de trânsito e de destino de migrantes. Gervais Appave, um dos editores do relatório, informou que a livre circulação de capitais, bens e serviços, proporcionada no século passado para o fomento da economia mundial, teve como conseqüência inevitável a mobilidade humana numa escala mundial sem precedentes.

Entre 1960 e 2005, cerca de 1,6 milhão de pessoas emigraram anualmente para países desenvolvidos, segundo o relatório. A OIM avalia que, entre 2005 e 2010, este número se elevará para 2,5 milhões por ano. Daí até 2050, 2,3 milhões de indivíduos emigrarão anualmente para países industrializados, segundo os cálculos da organização. A Europa é o continente onde mora o maior número de migrantes no mundo (70,6 milhões), seguida da América do Norte (45,1 milhões) e da Ásia (25,3 milhões). A maioria dos migrantes veio do continente asiático.

Pressão migratória em países industrializados

O informe previu também que, nas próximas quatro décadas, a pressão migratória continuará aumentando nos países industrializados, que carecem hoje não somente de mão-de-obra especializada, mas também de imigrantes pouco ou semiqualificados – para agricultura, construção e trabalhos domésticos – necessários, mas geralmente mal aceitos, explicou a OIM.

O desequilíbrio na oferta mundial de mão-de-obra deverá piorar, assinalou o relatório. A queda do índice de natalidade e do número de pessoas em idade ativa fará com que, nos próximos 50 anos, o número de indivíduos com mais de 60 anos seja o dobro do de crianças nos países industrializados.

Por outro lado, a população ativa da África triplicará – de 408 milhões para 1,12 bilhão – até 2050. Segundo a OIM, outro estudo apontou que China e Índia constituirão, provavelmente, 40% da força laboral mundial em 2030. Mundialmente, a proporção de trabalhadores estrangeiros está por volta dos 3%. Nos países do Golfo Pérsico, essa taxa se eleva para mais de 40%. Com exceção da África, Ásia e Oriente Médio, a maioria dos migrantes em quase todas as partes do planeta é constituída por mulheres, informou a organização da ONU.



Políticas de migração planificadas, flexíveis e abertas

Quanto à atual crise financeira, o relatório informou que ela levará, provavelmente, a novos movimentos migratórios. Espera-se, primeiramente, que trabalhadores emigrados retornem ao seu país de origem, porque perderam seus empregos. Quando a economia se recuperar, uma nova onda de migrantes partirá para países que oferecerem trabalho.

O relatório afirmou ainda que o desafio, para países desenvolvidos conscientes, estaria em adotar políticas de migração laboral planificadas, flexíveis e abertas para assegurar uma oferta segura, legal e humana para os migrantes e seus familiares.

Ao apresentar o relatório, Gervais Appave concluiu dizendo que "estes tipos de políticas são particularmente importantes durante crises econômicas mundiais como a atual. A crise financeira da Ásia dos anos 90 demonstrou que, inclusive em épocas de dificuldades econômicas, existe uma necessidade estrutural de migrantes. Por conseguinte, o mundo não tem escapatória".

Fonte: http://www.dw-world.de/dw/article/0,,3843397,00.html - 02.12.2008


1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   15


La base de datos está protegida por derechos de autor ©bazica.org 2016
enviar mensaje

    Página principal