Reginaldo Prandi



Descargar 0.6 Mb.
Página3/6
Fecha de conversión04.07.2017
Tamaño0.6 Mb.
1   2   3   4   5   6

A Casa das Minas de Tóia Jarina


Em 1964, Francelino, um jovem paraense de 15 anos, nascido na Ilha de Marajó, foi iniciado para vodum no tambor-de-mina na cidade de Belém, capital do Pará, por Mãe Joana de Xapanã (To Azonposiboji), originária do tambor-de-mina de São Luís e falecida em 2 de julho de 1971. Pai Francelino (To Akósakpatá Azondeji) tem como seu vodum de cabeça o mesmo de sua mãe, Xapanã, divindade ligada às doenças e sua cura. Seu segundo vodum é Sobô, divindade do raio. A encantada Dona Jarina é o guia que mais tarde será a dona de sua casa em São Paulo, casa governada pela cabocla turca Dona Mariana, que presidirá a maior parte dos ritos no terreiro paulista. Mãe Joana celebrou as obrigações de Francelino até a do sétimo ano.

Com a morte de Dona Joana, Francelino foi adotado por Pai Jorge Itacy de Oliveira (Ka Dam Manjá), do Terreiro de Iemanjá, de São Luís do Maranhão. Pai Jorge foi iniciado em 1956 no Terreiro do Egito e sua casa tem grande prestígio. Com Pai Jorge, em 1978 e 1985, Francelino deu as obrigações de 14 e 21 anos.

Em 1974, Francelino saiu de Belém e mudou-se para o Rio de Janeiro, transferido a pedido pela SUDAM para o escritório do Rio. Entre 1978 e 1980 residiu em Curitiba, Paraná, onde iniciou uma casa-de-santo, mas foi em São Paulo que acabou se fixando. Em São Paulo, em 1977, estabeleceu-se como Tói Vodunnon, isto é, pai-de-vodum ou pai-de-santo em língua ritual jeje, mas continuou a residir em Curitiba até 1980, quando se mudou definitivamente. Seu terreiro recebeu o nome de Casa das Minas de Tóia Jarina (Kuêbe Axé To Vodum Odam Azonce), em homenagem ao seu primeiro guia espiritual, Tóia Jarina, ou Mãe Jarina, a jovem princesa encantada da Família do Lençol, que Francelino recebeu quando tinha 12 anos de idade. Assim os deuses africanos do Daomé aclimatados em São Luís do Maranhão, partindo de Belém do Pará, vieram a se estabelecer em São Paulo.

O terreiro de Dona Jarina, que se define como casa de culto mina-jeje, mina-nagô e encantaria, esteve em vários endereços (bairros de Casa Palma, Vila Campestre, Jardim Luso) até instalar-se no Jardim Rubilene em 1983, onde permaneceu por dez anos. Em 1993 mudou-se para a Rua Itália, 462, no bairro Jardim das Nações, município de Diadema, com instalações especialmente construídas para o terreiro, onde se encontra até o presente.

A exemplo dos candomblés, as instalações físicas do terreiro lembram um compound africano, com um barracão central para as danças, seis pequenas casas reservadas para as diferentes famílias de divindades (onde os assentamentos das divindades são mantidos fora do alcance da curiosidade dos não-iniciados), uma pequena capela com altar católico e uma construção com cozinha, sala de estar e quartos para dormir e vestir, além das dependências em que os iniciados ficam recolhidos durante suas obrigações, a clausura. Há também o quarto de Legba, o quarto reservado ao culto dos antepassados da casa e um pequeno jardim em que se cultivam plantas sagradas.

Em São Paulo Francelino iniciou seus filhos, ensinou aos tocadores de tambor os ritmos da mina, construiu uma grande rede de clientes, estabelecendo contato com lideranças da umbanda e de várias nações de candomblé. É Coordenador em quarto mandato da Coordenação Paulista do INTECAB (Instituto Nacional da Tradição e Cultura Afro-Brasileira), instituição que reúne as nações de candomblé e umbanda, milita em federações de umbanda e está presente em rádios e publicações religiosas. Com o tempo tornou-se personalidade conhecida e respeitada entre o povo-de-santo paulista.

Os voduns e suas festas


Os voduns hoje assentados na casa, isto é, os voduns cultuados como principais ou adjuntós dos membros iniciados são: Xapanã, Naveorualim, Navezuarina, Abê, Naê, Acóssi, Lepom, Polibogi, Azile, Azacá, Doçu, Doçupé, Sobô, Badé, Averequete, Dadá-hô, Zomadonu, Vondereji, Xadantã, Agüê, Lissá, Euá, Boçalabê, Boço Jara, Nanã, Alogué, Dangbê, além dos orixás Ogum, Odé, Xangô, Oxum e Oiá-Iansã. Também têm assento na casa Idarço, Oruana, Arronovissavá, Bedigá, Ajê e Iemanjá. O culto a Legbara está presente, sendo propiciado nas grandes obrigações e estando assentado para a casa e para muitos dos filhos.

Considerando o pouco tempo que marca a presença dos voduns em São Paulo, os simples nomes deles já sugerem um enorme mistério a decifrar. Mesmo sendo tão pouco conhecidos na cidade, a relação que cada um guarda com os orixás do candomblé e da umbanda ajuda muito, creio, na sua assimilação pelos devotos que se aproximam do tambor-de-mina. Na maioria dos casos estabelece-se alguma correspondência entre voduns e orixás. Na tradição da mina, que é mantida na maioria das situações rituais na casa de Pai Francelino, os voduns não usam roupa específica e, quando incorporam, apenas amarram uma toalha em torno da cintura, se vodum feminino, ou em torno do tronco, se vodum masculino, mas não é incomum ver o vodum, em dia de sua grande festa, dançar paramentado com roupas e adereços inspirados nos usados por orixás do candomblé.

A correspondência entre vodum e orixá, já trazida do Maranhão, mostra-se também na relação sincrética com os santos católicos. Assim, por exemplo, há correspondência entre o vodum Sobô e o orixá Oiá-Iansã, ambas sincretizadas com Santa Bárbara. O mesmo se dá entre Boço Jara, Logun-Edé e Santo Expedito; entre Abê, Iemanjá e Nossa Senhora da Conceição, assim como entre Lissá, Oxalá e Jesus Cristo; Dangbê, Oxumarê e São Bartolomeu etc. (ver Quadro 1.)

Contando-se os voduns que foram assentados no terreiro de Dona Jarina, isto é, os voduns principais e adjuntós de cada filho iniciado na casa, além dos voduns do próprio chefe da casa, pode-se chegar aos dados mostrados no Quadro 2. Assim, os voduns assentados com maior freqüência correspondem aos orixás do candomblé que também têm mais filhos, que são mais populares, pode-se dizer. Orixás mais raros correspondem a voduns com menor número de iniciados. De modo geral, o conjunto do panteão de voduns com filhos feitos adere em número à distribuição dos orixás que se pode usualmente encontrar num terreiro de candomblé de qualquer parte do País. Isso certamente ajuda na assimilação desse novo panteão de deuses africanos numa cidade que recém- completou seu conhecimento do panteão dos orixás.

As atividades religiosas seguem um extenso calendário com obrigações e tambores a cada mês do ano, em datas correspondentes às festas católica, confome a seguinte programação:


Calendário da Casa das Minas de Tóia Jarina
1. Festas fixas


Janeiro




dia 6 (Santos Reis)

Doçu, Bedigá e Zomadônu

dias 19, 20, 21

Azonce, Lego Babicachu Xapanã

dia 20 (São Sebastião)

Xapanã e Azacá - Mesa dos Inocentes e Banquete dos Cachorros

dia 21 (Santa Inês)

Oruana - Encerramento dos 9 dias de Xapanã com Bancada das Tobôssis e Princesas







Fevereiro




dia 2 (N.S. das Candeias)

Presente de Abê

dia 8

Caboclo João da Mara e sua Família da Bandeira

dia 11 (São Lázaro)

Acóssi e Acóssi Sapatá







Março




dia 19(São José)

Xadantã, Loco e Zezinho de Maramadã







Abril




dia 21

Jotim e Jotam

dia 22

Dona Jarina (a dona da casa)

dia 23 (São Jorge)

Ogum







Maio




dia 24 (Santa Rita)

Nanã Biocô







Junho




dias 12, 13, 14

Cabocla Mariana e Família da Turquia

dia 13 (Santo Antônio)

Agongone, Vondereji e Caboclo Ita

dia 24 (São João)

Bancada das Tobóssis e tambor dos Nobres (Reis, Rainhas, Nobres)

dias 28, 29, 30 (São Pedro)

Badé







Julho




dia 16 (N. S. do Carmo)

Euá e Naveorualim

dia 26 (Santana)

Vó Missã e Nanã Bulucu







Agosto




2º Domingo

Averequete

dia 15 (Assunção de N. Senhora)

Navezuarina e Naveorualim

dia 16 (São Roque)

Lepom

dia 23

Caboclo Rompe Mato e Família da Mata

dia 24 (São Bartolomeu)

Dangbê

dia 25 (São Luís de França)

Dadarrô

dia 30 (Santa Rosa)

Nanã Bassarodim e Rainha Rosa (Codó)

dia 31 (São Raimundo Nonato)

Zé Raimundo Bogi Buá Sucena Trindade, Família de Codó e Rei de Nagô







Setembro




dia 16

Polibogi

dia 27 (S. Cosme e S. Damião)

Família da Baia

dia 29 (São Jerônimo)

Badé Zorogama

dia 30 (São Miguel)

Dom Miguel Rei de Gama e Família de Gama







Outubro




2º domingo (N. S. de Nazaré)

Rainha Dina (Codó), Fina Jóia

dia 15 (Santa Teresa)

Boçalabê

dia 28

Boço Jara, Caboclos Tabajara e Balanço







Novembro




dia 1 para 2 (Finados)

Obrigação de Ancestrais

dia 15 (N. S. dos Remédios)

Aguê e Família Caboclo Roxo e Encantarias

dia 28 (Santa Catarina)

Naê e Naedona







Dezembro




dia 4 (Santa Bárbara)

Sobô, Oiá, Dona Servana e demais Nochês (voduns femininos)

dia 8 (N. S. Conceição)

Abê, Naité e Iemanjá

dia 13 (Santa Luzia)

Navezuarina e Família de Marinheiros



2. Festas móveis
Quarta-feira de Cinzas

Arrambã (Bancada das Tobóssis) e encerramento anual das celebrações dos voduns


Sexta-feira, 15 dias antes da Sexta-Feira Santa

Obrigação da Cana Verde. Ritual da plantação. Cobertura dos assentamentos dos voduns, orixás e encantados e das imagens católicas. Interrupção de todas as atividades religiosas da casa.


Sexta-Feira Santa

12:00 horas: Obrigações durante toda a tarde para Lissá e voduns da Criação (Abieié)

Noite: Renovação: os assentamentos são descobertos; ossé (limpeza) geral da casa, troca das águas das quartinhas. Renovação dos axés.
Sábado de Aleluia

Primeiras horas: Abieié, Cerimônia do Renascimento. Sacrifícios para todos os voduns e encantados assentados na casa. Levanta-se a “bandeira do vodum”.

12:00 horas: Bolo da Felicidade. Cerimônia da punição em que cada membro recebe palmadas.

20:00 horas: Tambor de Abertura da Casa. Início do ano litúrgico (roupa branca).


Domingo de Páscoa

20:00 horas: Segundo dia da Abertura e Tambor de Pagamento (Mocambo), quando os alabês, vodúnsis poncilês e outros dignitários não-rodantes recebem presentes dos voduns e encantados (roupa verde).


Segunda-feira após a Páscoa

Tambor de abertura do terreiro com os encantados (roupa estampada).

Cada comemoração divide-se em obrigação, ou ritos sacrificiais reservados aos iniciados, e em festa pública, que se realiza no barracão, com presença de amigos, clientes e simpatizantes, com a dança dos voduns e encantados manifestados no transe.

O tambor, como é chamado o rito público, a dança, desenrola-se por muitas e muitas horas, às vezes numa seqüência de um, três, ou sete dias. As dançantes apresentam-se com seus trajes alvíssimos de bordado Richelieu ou de belos tecidos estampados nas cores dos santos, com seus pesados colares de contas, os rosários da mina. Com a chegada da entidade, uma toalha é envolta na cintura ou no tronco e isto é o indício de que uma nova personalidade tomou conta daquela cabeça. O encantado dança, canta suas doutrinas (cantigas), cumprimenta os presentes, conversa com os amigos, bebe da bebida de sua predileção e volta a dançar sempre, enquanto os tocadores se revezam nos batás, gã e xequerês.

No final do tambor, todos comem a comida preparada com as carnes dos sacrifícios. Cansados, os filhos-de-santo voltam para casa para descansar poucas horas, para enfrentar um novo dia de trabalho. Mas podem voltar na noite seguinte ao terreiro para a continuação do tambor, pois são muitos os voduns e em maior número ainda os encantados, e todos precisam dançar e dançar para assim conviver com os mortais seus filhos.

Os iniciados


Na Casa de Dona Jarina os filhos são iniciados para seu vodum principal e para o vodum adjuntó, isto é, para um segundo vodum. Como no candomblé, os voduns de um iniciado formam um par correspondente à idéia de pai e mãe, sendo, assim, um deles masculino e o outro feminino. A iniciação compreende uma celebração preliminar à cabeça, denominada aperê, como o bori do candomblé, com posterior recolhimento em clausura por alguns dias, raspagem da cabeça e sacrifício de animais ao vodum, além de outras oferendas. O ciclo é completado com a festa de saída do novo vodúnsi (iniciado para o vodum, filho-de-santo), quando o novo dançante e seu vodum são apresentados à comunidade durante um tambor. Com sete anos o vodúnsi recebe sua tobóssi, sua princesa menina, quando sua iniciação se completa e ele ganha a dignidade da senioridade iniciática, sendo chamado de vodúnsi-gonjaí. Pode ocorrer desta obrigação ser antes dos sete anos ou bem depois, por exemplo, de 15 anos de sua feitura. Não há um prazo fixo, pré-determinado, pois quem escolhe a nova “rama dos Agonjaí” é sempre o vodum chefe e não o pai-de-santo.

Antes mesmo da iniciação para o vodum, os filhos podem começar a receber os voduns e encantados. Em geral, um filho-de-santo de Pai Francelino com o grau de vodúnsi-gonjaí recebe dois voduns, a tobóssi e alguns encantados, cujo número cresce com os anos de iniciação.

Até o presente foram iniciados 98 filhos de voduns, dos quais 28 ocupam cargos relacionados à organização do culto, como os tocadores de tambor e as equédis, os quais não recebem as entidades através do transe. Os demais 70 são dançantes, isto é, devotos que entram em transe de vodum e encantado. Destes, 18 já atingiram o grau de senioridade, estando aptos, portanto, a receber as meninas princesas, as tobóssis jejes. O nome dos iniciados, seus voduns e encantados estão dados nos Quadros 3, 4 e 5. Além dos filhos iniciados (feitos) por Pai Francelino, fazem parte da casa, evidentemente, os que estão pleiteando sua iniciação, tendo já, em geral, passado pela cerimônia do aperê de sacrifício à cabeça, e também aqueles iniciados em nações de candomblé e que na Casa de Tóia Jarina receberam obrigações de 7, 14 e 21 anos, por exemplo. Os aspirantes e os que apenas têm obrigação de adoção não foram incluídos nos quadros.

Entre os seguidores dos voduns em São Paulo, parte veio da umbanda e houve casos de chefes de terreiros que foram iniciados na mina e que passaram pouco a pouco a tocar a religião dos voduns, de modo que, hoje, os voduns estão presentes em várias casas paulistas e de outros Estados ligadas à Casa das Minas de Tóia Jarina por iniciação de seu pai ou mãe-de-santo. A maioria, porém, veio do catolicismo. Na composição demográfica do terreiro é grande a presença de migrantes nordestinos ou seus filhos, com a participação de negros, mulatos e brancos, de extração social bastante modesta. Como nas outras modalidades afro-brasileiras da metrópole, não há o corte da cor, a religião negra não se prende mais à origem racial dos adeptos. Alguns dos iniciados vivem em outros Estados, onde são chefes de terreiros, vindo a São Paulo por ocasião de suas obrigações e das festas mais importantes. É grande o trânsito de pessoas de uma cidade para outra, através de grandes distâncias. O próprio pai-de-santo viaja constantemente a São Luís para as festas na casa de seu pai e também para outras partes do Brasil para dar obrigações a filhos e atender clientes.

O grupo de culto organizado em torno de Pai Francelino é mais que uma família-de-santo. O parentesco entre muitos membros da casa é também o de família de sangue e as relações familiares, que envolvem também compadrio e namoro, agregam a comunidade do terreiro numa ampla teia de deveres e reciprocidades não religiosos, que estreitam e multiplicam os laços de solidariedade impressos no parentesco religioso e na hierarquia do culto. Vejamos:

Enedina é casada com Pedro. São os pais de Sandra, a mãe-pequena, que aos quatro anos recebeu a encantada Princesa Flora, e de Édson, consagrado para tocar tambor, assim como Carlos, marido de Sandra, e pais da equede Sônia, cuja filha Graziela já foi escolhida para ser equede como a mãe. Sandra e Carlos têm quatro filhos: Karla Alessandra, de doze anos, Victor Eduardo, de onze anos, que passa a maior parte do tempo com o "avô" Francelino e já é iniciado como axogum de Sobô, olubatá e alabê de Tóia Jarina, Andressa de cinco anos e Kaique de poucos meses. Oraci é irmã de Pedro. Enedina, Pedro, Édson, Sônia e Graziela mudaram-se para Curitiba, onde abriram casa-de-santo. Vêm ao terreiro para as festas, onde a família volta a se reunir, onde brincam os netos.

Márcio, o pai-pequeno, é irmão de Marcos, que foi casado com Suely, com quem teve os filhos Ilanajara e Danilo, que será tocador.

Jandira de Nanã, já falecida, foi casada com Dinho, alabê de Sobô. A filha Cristiane é vodúnci poncilê de Xapanã casada com o Alabê Edimar de Vondereji e pais de João Victor, Alex é confirmado huntó de Boço Jara, Fábio já é feito para Nanã. Reinaldo é irmão de Jandira, como Nelson, que é alabê suspenso.

Kátia, poncilê de Xapanã é irmã de Edson feito para Toy Azonçu.

Nica de Odé já é agonjaí e é casada com Toninho de Badé, Alabé, irmã de Vitória de Oyá, também feita e mãe da poncilê Karla de Agüê.

O Professor Jorge Adalberto confirmado Babá Egbé da parte nagô da Casa é casado com a agonjaí Damiana de Sogbô e pais do Alabê Fabyo Adalberto de Poliboji, da vodunsi-hê Cristiane de Dangbê e da vodunsi Cisleyde de Naveorualim. Sua irmã Jorgete é feita para Oyá e os filhos desta são do axé: o Alabê indicado Alcides de Lissá, Victor de Aden, a poncilê indicada Andressa de Azaká e a rodante Joyce de Badé. Também, João de Verekete, irmão do professor Jorge, é borizado e casado com Adriana de Abê, borizada e genro de Vitória de Oyá.

Leonardo é casado com Elizabete e seu filho Leonardo foi iniciado tocador. O irmão de Leonardo, Vicente, é casado com Vera, que já fez o aperê e recebe encantado. Eles são os pais de Talitha e Tábatha, já presentes na roda-de-santo. Faz parte da família Alex, um sobrinho que também já dança com encantado, e seu irmão Fábio e sua irmã Amanda, ambos aspirantes. A aspirante Iracema, já "borizada", é irmã de Leonardo e Vicente e suas filhas devem ser também iniciadas: Danielle, equede, e Tatiane, rodante. Leonardo dirige o terreiro de sua família. Vera tem a irmã Ana Maria, mãe de Michelle, "borizada", e José Roberto Júnior, que também toca.

Maria da Glória é mãe de Kátia, casada com Sérgio. Antônio Aramízio é cunhado de José Divino, ambos feitos, e tem outros parentes que já fizeram o aperê. Alzira de Sogbô é mãe do huntó de Xadantã Luciano de Xadantã e de Lucimar de Abê, borizada, ex-esposa do vodunsi Rogério de Boço Jara.

As famílias interligam-se, os laços de parentesco multiplicam-se, o terreiro é o lugar da religião e do encontro, é o lugar do lazer e a praça onde todos se apresentam.

Na vida cotidiana de cada iniciado, tudo gira em torno do terreiro e seu calendário exaustivo: como fazer os preparativos da obrigação, como deixar em ordem as inúmeras roupas rituais, quando encontrar um tempo livre para qualquer outra coisa? Muitos dos filhos moram longe do terreiro, alguns em outras cidades, a cidade é grande, é grande o esforço de cada um. São pobres, às vezes de classe média baixa, e as obrigações são financeiramente onerosas, de modo que uma obrigação de iniciação muito desejada pode ter que esperar por anos. A obrigação de tobóssi, quando o iniciado recebe o posto de vodúnsi-gonjaí, é totalmente gratuita e de responsabilidade da casa, com ajuda dos gonjaí mais velhos, obrigação que é determinada pelo vodum da casa. Nas demais obrigações, o iniciado gasta com a compra de animais, roupas, comida, objetos rituais etc., podendo contar com a ajuda de parentes e amigos.

Durante o tambor, os filhos parecem cansados, pois as festas públicas são precedidas por obrigações sacrificiais que freqüentemente viram a noite, mas também sempre parecem contentes. E quando os tambores tocam e as entidades chegam, eles são capazes de dançar por muitas horas sem descanso. Quando não há tambor, num dia de vodum, todos se reúnem na sala do altar católico para o ritual da avaninha, rezas de voduns acompanhadas pelo gã e xequerês.

As crianças, muitas, estão sempre presentes no tambor. Entram na roda, tocam tambor, correm de lá para cá, conversam com os encantados. E têm sua predileções entre os caboclos e voduns. Victor, o então garotinho enrabichado por Dona Mariana na cabeça de Francelino, sempre pedindo colo, sempre querendo sua atenção, mal se aproximava do mesmo Francelino quando virado no Caboclo Zè Raimundo e hoje já está com seus 11 anos, tocando e desempenhado funções. As crianças do terreiro vão sendo socializadas no cotidiano da mina e aprendendo os ritos como aprendem tudo o mais.

Em todas ou em quase todas as celebrações da casa, obrigações, tambores, estará presente Dona Mariana, a princesa cabocla filha do Rei da Turquia. Cedo ou tarde ela chega e comanda todo o ritual, assumindo a chefia da casa de Dona Jarina, que ela chama de irmã. Xica Baiana, encantada de Márcio, o pai-pequeno, é sua principal acólita.

Dona Mariana é sempre o centro das atenções e nenhum dos filhos de Pai Francelino disfarça a enorme devoção que todos têm por ela. Dança, canta, conversa, chama a atenção dos filhos, corrige o ritmo dos tambores, recebe as visitas e faz até discurso, quando a solenidade o exige. Quem freqüenta o terreiro apenas durante os tambores dificilmente convive com o pai-de-santo, pois seu corpo e sua cabeça estão sempre tomados pela personalidade de Mariana. Ela fala por ele e pelo tambor-de-mina, é a grande porta-voz dos voduns e encantados do Maranhão em terras de São Paulo.



1   2   3   4   5   6


La base de datos está protegida por derechos de autor ©bazica.org 2016
enviar mensaje

    Página principal