Tempo do advento



Descargar 343.75 Kb.
Página1/5
Fecha de conversión04.05.2017
Tamaño343.75 Kb.
  1   2   3   4   5
2012

TEMPO DO ADVENTO

Reflexões para cada dia do Advento






description: dsc00301.jpg
O mundo das crianças com necessidades especiais

fmsi.jpg


AGRADECIMENTO


Registramos, em primeiro lugar, uma mensagem de agradecimento a todas as pessoas que colaboraram para que este livreto de reflexão para o tempo do Advento fosse realizado. Muitas pessoas colocaram o seu grão de areia: em primeiro lugar, as crianças que gentilmente compartilharam conosco sua experiência; em segundo, agradecemos a seus pais que nos permitiram publicar a história de vida de seus filhos; em terceiro a todas as pessoas de contato que a FMSI tem nas Províncias; sem a sua colaboração isso não teria sido possível. Não podemos esquecer a tantos outros que nos deram seu apoio, ajudando àqueles a quem foram pedidos.
Da mesma maneira, agradecemos a todos e a todas que nos enviaram as suas respostas avaliando as edições anteriores do livrinho do Advento. Acreditamos que com as contribuições e as modificações que faremos neste ano, ajudarão a centrar mais a nossa reflexão, durante o tempo do Advento. Agradecemos também aos tradutores.
O tema central do livreto deste ano será a criança portadora de necessidades especiais, sejam elas físicas ou mentais. Temos um grande número de testemunhos enviados por nossos colaboradores; com isso, conseguimos testemunhos mais numerosos do que os dias do Advento, e decidimos partilhar todos, colocando alguns no apêndice. Esclarecemos que não houve nenhuma preferência entre um e outro testemunho.
A “Convenção sobre os direitos das pessoas com necessidades especiais” define que são aquelas pessoas que possuem deficiência física, mental, intelectual ou sensorial, de longo prazo; e que, ao interagirem com diversas barreiras, sejam impedidas de plena e efetiva participação, em condições de igualdade, na sociedade. Com essas reflexões, desejamos que nossas vidas se aproximem um pouco mais a essas pessoas que sofrem porque impedidas de participar plenamente como os demais. Que esse tempo de reflexão e oração nos ajude a aproximar-nos e entendê-las melhor.
Devido ao tema, neste ano utilizaremos como elemento de reflexão duas Convenções das Nações Unidas: a “Convenção sobre os direitos da criança e do adolescente” e a “Convenção sobre os direitos das pessoas com necessidades especiais”. Ambas oferecem artigos para o nosso conhecimento e reflexão.
Desejamos também que os testemunhos aqui apresentados nos ajudem a ter mais presente essas pessoas necessitadas, a respeitá-las, a estar mais a seu lado e a partilhar nossa vida com suas vidas e, sobretudo, prestar-lhes ajuda suficiente para integrá-las plenamente na sociedade.
Ir. Manel Mendoza

O ADVENTO
Termo: Advento vem do Latim adventus, que significa preparar a vinda, a chegada. Este tempo litúrgico, com duração de quatro semanas, termina no dia 24 de dezembro e, em continuação temos o Natal e a Epifania. É o tempo de despertar e preparar a todos para a chegada do Menino-Deus.
Podemos dividir esse tempo em duas partes:
a) do primeiro domingo ao dia 16 de dezembro, possui o caráter escatológico, esperando a chegada do Senhor no final dos tempos;

b) do dia 17 ao dia 24 de dezembro, que é também chamada "Semana santa" do Natal, nos orienta e convida a preparar mais especialmente a chegada de Jesus Cristo.


Origem
Não se pode determinar com exatidão quando foi introduzida na Igreja a celebração do Advento. A preparação para a festa de Natal, certamente não aconteceu antes da festa de Natal e sobre isso não encontramos nenhuma evidência, antes do final do século IV, quando era celebrada em toda Igreja, ou no dia 25 de dezembro ou no dia 6 de janeiro (Duchesne).

Nas Atas do Sínodo de Zaragoza (380), o quarto Cânon prescreve que a partir do dia dezessete de dezembro até a festa da Epifania, ninguém deveria ausentar-se da Igreja. Existem algumas homilias, provavelmente a maior parte de São Cesário, bispo de Arlés (502-5042), onde encontramos menção a uma preparação antes do Natal; entretanto, a julgar pelo contexto da época, não existia nenhuma regulamentação sobre esse assunto.

Um Sínodo que aconteceu em (581) em Macon, na Gália, em seu nono cânon ordena que, a partir do dia onze de novembro até o dia de Natal, o Sacrifício seja oferecido de acordo com o rito da Quaresma, às segundas, quartas e sextas-feiras da semana. O Sacramentário Gelasiano destaca cinco domingos para o tempo do Advento; e esses cinco foram reduzidos a quatro pelo papa São Gregório VII (1073-85). A coleção de homilias de São Gregório, o Grande (590-604) começa com um sermão para o segundo Domingo do Advento. Vários Sínodos criaram cânones sobre os jejuns a serem observados durante esse tempo, sendo que alguns começavam no dia onze de novembro, outros no dia quinze, e outros com o equinócio de outono.

Outros Sínodos proibiam a celebração do matrimônio nesse tempo. (Francis Mershman).


Advento tempo de Maria por excelência
No Ano Litúrgico, o Advento é o tempo mariano por excelência, conforme a proclamação do papa Paulo VI na encíclica Marialis Cultus, 3-4. Historicamente a memória de Maria na liturgia surgiu com a leitura do Evangelho da Anunciação, antes do Natal, definido como o domingo mariano pré-natalino. Hoje, o Advento recuperou e reforça o sentido mariano com uma série de elementos marianos na liturgia, que podemos sintetizar da seguinte maneira:

- Os primeiros dias do Advento possuem elementos que recordam a espera e a acolhida do mistério de Cristo.

- A solenidade da Imaculada Conceição é celebrada como “preparação radical à vinda do Salvador e como início da Igreja sem mancha e sem pecado” (Marialis Cultus, 3).

- Nas orações de 17 a 24 o protagonismo da Virgem Maria está caracterizado nas leituras bíblicas e no terceiro prefácio do Advento, onde recorda a aproximação da maternidade.

O mariólogo I. Calabuig nos apresenta alguns títulos que damos à Virgem do Advento:

- A "cheia de graça", a "bendita entre as mulheres", a "Virgem", a "Serva do Senhor", a “Nova”, a “Filha de Sion”, a “Virgem do Fiat”, a “Virgem fecunda”, a “Virgem da escuta e da acolhida”.



A coroa do Advento

A coroa tem origem na tradição pagã europeia e consistia em colocar velas durante o inverno para representar o fogo do deus sol, para que retornasse com a sua luz durante o inverno. A coroa é formada por uma grande variedade de símbolos:




A forma circular: O círculo não tem nem princípio nem fim. É sinal do amor de Deus que é eterno, sem princípio e sem fim, e também de nosso amor a Deus e ao próximo que nunca deve terminar. 
As quatro velas: Levam-nos a pensar na obscuridade provocada pelo pecado que cega o ser humano e o afasta de Deus. São quatro velas colocadas na coroa, acesas uma a uma durante os quatro domingos do Advento e na oração em família.

Podem-se acrescentar maçãs vermelhas que representam os frutos do Éden e o simbolismo da origem do pecado; recordam também a promessa da salvação.



ORAÇÕES PARA ACENDER AS VELAS DO ADVENTO



Primeira semana
Ó Emanuel, esperança das nações, Salvador de todos os povos, vem salvar-nos, Senhor nosso Deus.


Segunda semana
Ó Rei das nações, Pedra angular da Igreja, única alegria em todos os corações, vem salvar teu povo.

Terceira semana
Ó Chave de Davi, Jesus Cristo, que abres e ninguém pode fechar, vem e mostra-nos o caminho para a salvação.

Quarta semana
Ó Sabedoria, que brotaste dos lábios do Altíssimo, todas as coisas estão em tuas mãos; vem e mostra-nos o caminho da salvação.


INTRODUÇÃO
As pessoas com necessidades especiais constituem a maior minoria existente; atualmente, cerca de 10% da população mundial vive com alguma deficiência.

A deficiência é uma limitação de funções, e o nível dessa anomalia vai depender das possibilidades de desenvolvimento oferecidas no seu entorno.


Mas, o que esperamos para uma pessoa que vive com alguma deficiência, se ela é privada dos direitos humanos básicos e fundamentais para poder ter qualidade de vida, como o acesso à atenção sanitária, à educação inclusiva e de qualidade, direito a participar da sociedade plural, ter formação ao desenvolvimento profissional, ao lazer, ao tempo livre, não ser discriminada, etc.?
Todos os âmbitos mencionados anteriormente são influenciados na vida das pessoas portadoras de necessidades especiais, agravando-se ainda mais quando falamos da infância. Alguns estudos avaliam que a população com deficiência, incluindo o seu entorno familiar, tem a grande possibilidade de cair no círculo vicioso da pobreza. Com efeito, o custo das ferramentas para melhorar a acessibilidade e a audição é, entre outros, muito elevado para a maioria das famílias. Em muitos casos, essas conquistas acontecem graças à ação de algumas ONGs, Instituições ou Associações, que colaboram para que elas consigam condições e instrumentos necessários para suas necessidades básicas.
Durante séculos, as crianças com necessidades especiais foram consideradas uma carga para a sociedade, pois, acreditava-se que não podiam ser educadas, incluídas e, tampouco ter oportunidade de ser autônomas, desenvolvendo-se como os demais seres humanos. Eram limitadas às dependências familiares, onde realizavam tarefas que hoje são consideradas como semiescravidão. Recebiam assistência na própria família. Felizmente muita coisa tem mudado, embora existam muitos obstáculos em alguns países. Apesar dos acordos existentes na Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência, dos Objetivos do Milênio, assim como o propósito da declaração “Educação para todos”, a dependência é a primeira causa de exclusão social no mundo. É por isso, que aspectos como a inclusão educativa, tão necessária, sobretudo, nas áreas rurais do nosso planeta, onde a escolha se reduz a um centro educativo por população, e sua escolarização vai depender da formação e da boa vontade dos professores que decidem assumir esse desafio profissional.
Atualmente, permanece um longo caminho a percorrer, e necessitamos de governos e ONGs que fomentem a criação de projetos relacionados com a formação e capacitação das pessoas com necessidades especiais, para que num futuro, esperamos não muito tardio, esse grupo não permaneça submetido à diferença e possa usufruir de uma vida plena e autônoma.
Núria Tregón

2 de dezembro

I Domingo do Advento

Comemoração marista: 1915 - fundação marista no Marrocos.
Leituras do dia:

Jr 23,5 - Suscitarei Davi, um rebento justo, ... administrará a justiça.

1 Ts 3, 13 - Que o Senhor confirme vossos corações, ... para quando Jesus voltar.

Lc 21,25-28. 34-36. Se acerca vuestra salvación.






Ana Alexandra Romero Flores. Lima, Peru

A verdade é que me sinto muito confortável com a maneira como vivo. Eu sou o centro da atenção da minha família e dos meus colegas de colégio. Em minha família eu recebo todo apoio, amor e carinho de que uma criança necessita. Eu me sinto acolhida com carinho por meus colegas do colégio e eles me tratam como uma a mais do grupo. A pessoa que cuida de mim (Susana) me trata muito bem, como se eu fosse realmente a sua filha. Eu levo uma vida normal; no meu bairro, tenho amigos de 8 a 10 anos, com quem eu jogo handebol, basquete, dominó. No meu colégio participo dos estudos e dos jogos com os meus colegas. Nunca me senti discriminada ou marginalizada, ao contrário, sinto que sou o centro da atenção, sempre estão esperando por mim.



Convenção sobre os direitos da criança:

Os Estados membros reconhecem à criança, mental e fisicamente deficiente, o direito a uma vida plena e decente, em condições que garantam sua dignidade, favoreçam a sua autonomia e facilitem sua participação ativa na vida da comunidade. (CDN, artigo 23.1).


Do salmo 48: Vede, a casa de Deus está entre os homens.
Grande é o Senhor e digno de todo louvor,

na cidade de nosso Deus.

O seu monte santo, colina magnífica,

é uma alegria para toda a terra.

O lado norte do monte Sião

é a cidade do grande rei.

Deus se mostrou em seus palácios

um baluarte seguro.


Como nos contaram, assim o vimos

na cidade do Senhor dos exércitos,

na cidade de nosso Deus;

Deus a sustenta eternamente!

Ó Deus, relembramos a vossa misericórdia

no interior de vosso templo.


Como o vosso nome, ó Deus,

assim vosso louvor chega até os confins do mundo.

Vossa mão direita está cheia de justiça.

Que o monte Sião se alegre.

Que as cidades de Judá exultem,

à vista de vossos juízos!


Relançai o olhar sobre Sião,

dai-lhe a volta, contai suas torres;

considerai suas fortificações,

examinai seus palácios,

para narrardes às gerações futuras:

como Deus é grande,

nosso Deus dos séculos eternos;

é ele o nosso guia.



Intenção: Pedimos a Jesus e Maria maior sensibilidade para aceitar as pessoas portadoras de necessidades especiais.
Oração de Anita Romero Flores: São Marcelino, peço que ilumines as pessoas e que toques seus corações para que não ignorem, quando veem pessoas ou crianças com deficiências; e obrigado porque conheço pessoas com grande coração, em meu colégio. Amém.

3 de dezembro

Segunda-feira da I semana do Advento

São Francisco Xavier, presbítero

Dia internacional das pessoas com necessidades especiais

Comemoração marista: 1956 – partida dos primeiros Irmãos para a Bolívia.
Leituras do dia:

Is 2, 1-5 – O Senhor reúne todas as nações na paz eterna do Reino de Deus.

Mt 8, 5-11 - Muitos virão do oriente e do ocidente e se assentarão à mesa do Reino dos Céus.



Ederson y Fabiano

10 e 7 anos, Brasil




Conforme relatos da Sra. Roseli, mãe de Ederson Santos de Oliveira Junior e Fabiano Farias Santos, os filhos necessitam de atenção especial; destaca que os mesmos não têm noção de perigo; inúmeras vezes, se deparou com o filho Ederson em situação de risco. Declarou também que incentiva os filhos nas atividades básicas, pois os mesmos possuem dificuldades de comunicação, cuidados com a higiene corporal, alimentação, entre outros. A Sra. Roseli destacou que recebe o Benefício de Prestação Continuada - BPC do Governo Federal e o acompanhamento da família nos cuidados com os filhos. Relatou que não visita os vizinhos, pois os mesmos não compreendem o comportamento dos meninos e muitas vezes dizem que as crianças são “terríveis”, entre outras palavras, e acabam magoando. Conforme verbalizou, possui paciência e dedicação, atenção com os horários da medicação, esta responsável em amenizar a agitação dos meninos e fazer que os mesmos sintam-se melhores. Os filhos frequentam o AEE - Atendimento Educacional Especializado, mesmo assim visualiza que os

professores poderiam incentivar mais os filhos nas atividades diárias também. Destaca que faltam entendimento e compreensão das limitações dos filhos por algumas pessoas, gerando preconceito e em outros casos, sentimento de pena.

Convenção sobre os direitos da criança: Os Estados membros reconhecem à criança deficiente o direito de se beneficiar de cuidados especiais; encorajam e asseguram, na medida dos recursos disponíveis, a prestação à criança que reúna as condições requeridas, e àqueles que a tenham a seu encargo, uma assistência correspondente ao pedido formulado e adaptada ao estado da criança e à situação dos pais ou daqueles que a tiverem a seu encargo. (CDN, Artigo 23.2)
Do salmo 18: A manhã com sua luz e o dia que renasce, com sua claridade, evocam o começo da criação.
Narram os céus a glória de Deus,

e o firmamento anuncia a obra de suas mãos.

O dia ao outro transmite essa mensagem,

e uma noite à outra a repete.


Não é uma língua nem são palavras,

cujo sentido não se perceba,

porque por toda a terra se espalha o seu ruído,

e até os confins do mundo a sua voz.


A lei do Senhor é perfeita, reconforta a alma;

a ordem do Senhor é segura, instrui o simples.

Os preceitos do Senhor são retos, deleitam o coração;

o mandamento do Senhor é luminoso, esclarece os olhos.


O temor do Senhor é puro, subsiste eternamente;

os juízos do Senhor são verdadeiros, todos igualmente justos.

Mais desejáveis que o ouro, que uma barra de ouro fino;

mais doces do que o mel, que o puro mel dos favos.


Aceitai as palavras de meus lábios e

os pensamentos de meu coração, na vossa presença,

Senhor, minha rocha e meu Redentor.
Intenção: Pedimos pelos pais e pelas mães que têm a seu encargo filhos com necessidades especiais.
Oração de Fabiano com o auxílio da mãe: Obrigado, meu Deus pelo dia, pela noite, pelo frio e pela janta. Senhor Deus, envia teu exército de anjos para proteger minha família. Amém.
4 de dezembro

Terça-feira da I semana do Advento

São João Damasceno, presbítero e doutor

Comemoração marista: 1889 - abre-se a primeira escola marista na Colômbia.
Leituras do dia:

Is 11, 1-10 - Sobre ele pousará o Espírito do Senhor.

Lc 10, 21-24 - Jesus cheio de alegria do Espírito Santo...




Elfreda Tabora

7 anos, Bougainville




Meu nome é Elfreda Tabora e tenho 7 anos de idade; eu frequento o Ensino Fundamental em Arawa. Naturalmente, eu nasci com um problema de audição no ouvido direito.

Na escola eu sento na frente da turma o tempo todo. Mas eu ainda tenho problemas de audição. Esse problema me desanima porque eu sempre tenho dois outros problemas que vêm com ele. O primeiro é a luta para compreender qualquer coisa que não ouvi corretamente e o segundo é o medo de ser humilhada. Mesmo assim, eu gosto da escola, principalmente de matemática cujo professor é muito bom. Eu tenho a sorte de ter bons pais. Por causa da minha deficiência eles me levaram para o ‘Services Callan’ (Centro Católico



para pessoas com deficiência, Terapia para Crianças & Centro de Aprendizagem). Ali há uma funcionária, Florência, que se tornou minha professora e ajudante. Ela me ensinou a ler a linguagem de sinais (livra) e ela também ensinou a meus pais. Para mim, ainda é um problema, porque eu tenho que lidar com a falta de audição o tempo todo, e à deficiência que é desanimadora. Minha vida não tem sido fácil na escola, em casa e com amigos. Eu tento, mas é difícil de manter meus ouvidos abertos, tanto quanto possível para não me perder. Os aparelhos auditivos são muito caros para a minha família. Por isso, tem sido uma batalha com a minha deficiência, e eu rezo sempre para que meu ouvido tenha a devida atenção e que eu possa ouvir normalmente.

Convenção sobre os direitos da criança:

Atendendo às necessidades particulares da criança deficiente, a assistência fornecida nos termos do nº 2 será gratuita sempre que tal seja possível, em atenção aos recursos financeiros dos pais ou daqueles que tiverem a criança a seu encargo; é concebida de maneira que a criança com necessidades especiais tenha efetivo acesso à educação, à formação, aos cuidados de saúde, à reabilitação, à preparação para o emprego e às atividades recreativas; se beneficie desses serviços de forma a assegurar uma integração social tão completa quanto possível, além do desenvolvimento pessoal, incluindo os domínios cultural e espiritual. (CDN, Artigo 23.3)


  1   2   3   4   5


La base de datos está protegida por derechos de autor ©bazica.org 2016
enviar mensaje

    Página principal